03 abril 2015

Ah, ex-amor!

Ah, meu ex-amor, sente e pense no que poderíamos ter sido. Eu já cansei de fazer isso. Teríamos andado de mãos dadas pelas ruas, rindo a toa, sem nos importar com os olhares curiosos dos que nos cercavam? Teria eu, acreditado nas inúmeras palavras manipuladas, mas que não deixavam de ser bonitas que saiam de sua boca? E, quando distantes, olharíamos para a mesma lua imaginando que, onde quer que o outro estivesse, estaria olhando para o mesmo globo cintilante?


Teríamos sido o que imaginamos e nunca fomos? Rindo das piadas mal feitas um do outro e acostumando nossas mãos com o entrelaçar de nossos dedos? Será que eu, em meio a tantos perfumes reconheceria o teu? E tu, em meio a tantos cabelos, reconheceria a textura do meu? Rolaríamos na areia da praia ao entardecer, com nada mais do que o som das ondas para embalar nossa loucura?
Não sei, você poderia me responder, se quisesse. Mas, não. Eu não quero nem espero mais uma resposta sua. Cansei de jogar tentativas fracassadas ao léu. Sinais não reconhecidos, olhares não interpretados, oportunidades não aproveitadas. Passou o seu tempo, passou o meu, se foi o nosso.

O nosso tempo, ex-amor, agora consigo ver, sequer existiu. Enrolamos pedidos em papéis, colocamos em uma garrafa e os jogamos ao mar. Para que fosse, para que a maré levasse essa coisa que não era minha, que não era tua, que não era nossa. Porque nunca deixamos que fosse. 
Jogamos ao mar para que a maré os levassem embora, quem sabe um dia, ela os traga de volta.

— Bruna Barp




4 comentários:

  1. Muito bonito, gostei bastante :)

    http://diferentetom.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Lindo! Amei, emocionada aqui!! Rsrs
    Lindo blog.

    http://turbanize.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, muito obrigada Marcela! Fico feliz por emocionar os leitores ♥ hahah
      Beijinhos!

      Excluir