02 março 2015

Vem

Vem. Vem e bagunça o que eu passei anos arrumando. Tira aquela coberta velha que eu guardo lá no fundo do armário, e deixa os chinelos na porta. Vem, e rompe o que eu estava mantendo intacto. Tenta, tenta descongelar esse meu coração. Quebra a barreira que me impede de gostar, que me faz temerosa, que me faz te evitar.






Chega de surpresa, não me avisa ou não abro a porta. Marca presença e me faz admitir. Admitir o que eu não falo em voz alta, o que eu evito pensar. Vem, e tenta cobrir as cicatrizes que aqui deixaram. Faz-me acreditar que eu posso sim, que gostar é bom, que nem todas as pessoas vão machucar. Mostra o que eu já sei, mas vivo desconfiando. Que nem todos são iguais, que não vou me decepcionar. Ou então confirma, eu vou sim, mas a vida é isso! Cair e levantar, me machucar e esperar sarar, pra recomeçar.
A ferida fechou, mas ainda dói. Diz que não tá pra brincar, que não é um guri. Revela que eu estou errada, que não é assim. Descongela, descongela o que não consigo sozinha por falta de provas.
Prova que nem todo o cara vai chegar pra ir, que eu não vou acabar vendo uma comédia romântica e me esvaindo, que não vou precisar lavar todas as roupas pra tirar o perfume. Tu não precisa ser o cara, não. Só precisa ser diferente, não quero aquilo de novo, outra vez.

Porque, se congelar de novo, meu caro, não descongela. 

— Bruna Barp


4 comentários:

  1. Adorei o seu blog *-*

    Da uma passadinha no meu, você vai gostar, tem dicas de moda e beleza :)

    ResponderExcluir
  2. qUE BOM QUE GOSTOU ANJO <3 ^^
    AMEI O SEU TB *--*

    ResponderExcluir
  3. Que texto incrível... To muito apaixonada por teus textos parabéns

    ResponderExcluir
  4. Ai, muito obrigadaa Paula! ♥ Fico muito feliz em ler isso, sem dúvidas é o meu incentivo para escrever mais e mais!

    Beijinhos da Bru

    ResponderExcluir